Acessar

Esta postagem existe para situar melhor aqueles chegaram no site em razão de minhas outras publicações e estão se deparando pela primeira vez com essa palavra esquisita.

O Septversum nasceu de meu interesse em convergir numa linha narrativa compartilhada diversos projetos que vinham maturando em minha cabeça e no papel ao longo dos últimos cinco anos. Escrevo ficção e me interesso por game dev desde muito nova, e sempre tive para mim que não importa que caminho seguisse na vida profissional (sou graduanda em Psicologia e aspiro a carreira acadêmica), eu só seria feliz enquanto pudesse criar.

Após aposentar os projetos aos quais dediquei a maior parte da adolescência (para os curiosos, os detalhes dessa fase estão também registrados no portal oficial da franquia), dei início aos rascunhos de meu debut oficial no mundo literário: uma obra de fantasia chamada Fairywood Tales, cujos capítulos, em vez de compilados e comercializados na forma de um ou mais livros, seriam publicados periodicamente e de graça ao público.

Os primeiros cinco “episódios” da saga estão disponíveis para leitura, mas sequer tenho certeza se a recomendo uma vez que tenho o forte interesse de realizar uma revisão drástica de seu conteúdo. É o que acontece, eu presumo, quando se começa a escrever uma história aos 16 anos e se vê precisando retomá-la aos 21, tendo que conciliar o que já está pronto com ideias novas e um estilo de escrita inevitavelmente mais amadurecido.

Em 2018, quando comecei a articular a franquia e soltei o portal no ar, tinha outros dois projetos em fase de pré-produção que seriam publicados por etapas juntamente com Fairywood Tales. Um deles mantenho “congelado” e em sigilo até acreditar ser enfim sua hora, mas o outro, The Ultimate Theory, havia ganho até seu primeiro teaser na época. O jogo, cuja proposta original não passava de um modesto tributo feito no RPG Maker ao canal The Game Theorists, foi evoluindo para uma obra independente muito mais ambiciosa, com um enredo essencial para a história que desejava contar com a franquia.

Naquele mesmo ano, porém, me vi tendo que abandonar esse e basicamente todos os outros aspectos da minha vida normal quando recebi o diagnóstico de leucemia linfóide aguda (poderia falar só “problema de saúde”, mas nunca fui uma garota de eufemismos). Dois anos e um transplante de medula depois, me sinto pronta para seguir em frente de onde parei. Meu trabalho, ao menos por enquanto, irá focar no lado literário do Septversum.

Meus três objetivos principais para esse ano são, dessa forma:

  • Atualizar este blog o máximo possível, com no mínimo um ensaio e três traduções todos os meses.
  • Revisar e republicar os primeiros cinco episódios de Fairywood Tales (Capítulo I – Vale Celestial), além de preparar e finalizar os quatro seguintes (Capítulo II – Estrela Azul).
  • E, talvez o mais importante no momento… Concluir meu novo e provavelmente mais ousado projeto: um livro – e este sim tenho intenção de publicar – que mistura sátira política e ficção científica. Uma obra ácida sobre um país que é estranho pela própria natureza.

Esta postagem será atualizada ao longo do ano sempre que tiver alguma informação nova para trazê-los.

Nos vemos em breve!